domingo, 30 de agosto de 2009

Domingo de manhã



Tempo fresco, céu limpo, sol radiante e...
“Engata a quarta! Não, não! Muito rápido. Diminui a velocidade antes... Acelera! Vai deixar o carro morrer! Rápido demais! A máxima é 60km/h mas não significa que você não possa ir mais devagar!”.
Meu pai, segurando-se no banco do carona e fazendo o movimento de freiar com o pé antes de cada curva, pacientemente me guia pela estrada...
Estamos indo para o sítio da minha tia-avó... Quase uma little Scotland em Rancho Miguel, coração de Antônio Carlos/SC.
Claro que sem kilts, highlanders ou o Mel Gibson.
Chegaram todos vivos, não se preocupem. E minha tia, ao contrário do que possa ter parecido acima, disse-me que me sai muito bem!
Quanto ao sítio, é uma casa antiga, em estilo colonial, com um jardim em flor e uma grande árvore (acácia mimosa) que faz sombra em uma parte da taipa, a mureta de pedra que cerca o quintal.
Há na frente do portal de ferro, incrustado nas pedras, uma treliça em forma de portal no qual se entrelaça um pé de bougainville rosado.
Além do cercado, verde. Everywhere I turn “I’m staring out at endless rows of green”… Rochas acinzentadas surgem em meio aos montes gramados e às árvores, cujos galhos, ainda ressequidos, esperam pela primavera.
Dentre o que já floresceu: rosas, copos-de-leite, camélias, véus-de-noiva; de tudo um cheiro doce permeia o ar, ameno. Enquanto da cozinha vem um odor quente, salgado, acompanhado pelo ruído de panelas e colheres.
Ao lado da cozinha, uma horta. E para lá da horta, um açude com uma roda d’água no qual nadam cisnes, patos e gansos.
Uma história engraçadinha: certa vez, uma galinha chocou ovos de pata. Quando os patinhos cresceram um pouco, aventuraram-se no açude e, a mãe-galinha, desesperada, batia asas às margens... Incapaz de segui-los.
Sentada à sombra da acácia, ouço um tropel. A égua de pelagem castanha vem descendo. Achega-se a mim e suas crinas enroladas me recordam de velhas histórias sobre feiticeiras que, em noites de lua cheia, sufocavam cavalos entrançando suas crinas ao redor dos pescoços.
Logo o sol se vai.
A temperatura cai.
Ouço a conversa à mesa de café abafada pela música que toca no rádio da sala.
A lua crescente, brilhante, no céu que escurece.
O cheiro fresco de cânfora nos braços ardidos com picadas de mosquitos me deu um pouco de dor de cabeça... Nada é perfeito, não é?

3 comentários:

  1. Parece ter sido um ótimo domingo. Eu tive english bread, choro de sagui, coffee e nada de mosquitos. Ha Ha! Droga mas não tive cavalo enforcado na sua própria crina...

    ResponderExcluir
  2. Adoraria usar uma kilt (dream)

    Beijo

    Rafa

    ResponderExcluir
  3. Scheyla M. M. Englert3 de setembro de 2009 08:46

    Relato mais que perfeito de um Domingo. Lindas palavras, maravilhoso texto... Coruja, eu? Nao, admiradora, já a muito tempo, de seus textos. Beijao da Tia, um pouco coruja, mas só um pouco..

    ResponderExcluir